terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

EMIRATES - ASSESSMENT DAY (2012)

Se você ainda não sabe do que estou falando, aproveite e de uma olhada no post sobre o OPEN DAY da Emirates, uma companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos que vem ao Brasil selecionar seus comissários de bordo.
E assim recomeça a saga... quero dizer, a segunda parte dela. No dia 26 de fevereiro, um domingo de sol e muito, mais muito calor; alias, gostaria de aproveitar e agradecer ao querido Luis IVX que, na sua falta de ter o que fazer, inventou a "roupa padrão do soberano", e depois aos colegas ingleses que aproveitaram a deixa pra substituir a bermuda por uma calça, no que hoje se chama de TERNO e nestes dias de calor, pra mim, é quase um MATADOURO! Revolta fellings. Dessa vez o Assessment day foi realizado no hotel Park Inn, do outro lado da rua do hotel onde anteriormente havia sido realizado o Open Day. Mais uma novidadezinha, ao menos pra mim: nos pediram pra chegar às 8h30 da manhã. Quero dizer, tecnicamente, perderia meia hora de sono, mas, nesse final de semana fui salvo pelo gongo e pelo fim do horário brasileiro de verão. Ganhei uma hora a mais pra dormir. Pergunta se eu consegui dormir!? Calor + ansiedade = olheira. Olheira + maquiagem da minha irmã = tô lindo na foto!


(Nuana, Pri, Leide e Eu)
Anyway, lá cheguei cedo e logo identifiquei as belas coléguinhas Leide, Nuana e Pri. Ficamos papeando enquanto esperávamos no hall do hotel pelo "chamado" à sala de conferencias do hotel. Enquanto isso, eu bem aluguei a paciência delas pra elas me ajudarem a selecionar algumas fotos casuais, solicitadas pra essa fase, da minha pequena pilha com 60 opções. Sim, eram realmente 60 opções. Finalmente, depois de uns 30 minutos de espera, 3 idas ao banheiro pra conferir o topete e muitas piadinhas, fomos chamados pelas funcionárias da Fly Right para ir à sala de conferências onde elas recolheriam os documentos solicitados por eles:

- Currículo em inglês
- Ficha cadastral do site da Emirates
- Fotos 5x7 (passaport size) usando roupa social
- 2 ou mais fotos casuais

Nessa hora, entregamos os documentos e pegamos nossos crachás. O meu, dessa vez, foi o número 28 de um total de 57. Eu esperava que tivesse mais gente, mas, já fiquei feliz porque a muvuca não tava pegando nesse dia. Depois, recebemos algumas instruções sobre como o processo aconteceria e fomos encaminhados à sala. Lá encontramos nossas selecionadoras: uma Sul-Africana fofissima, chamada Erna (detalhe, eu falei Aina, Ena, Ana... qualquer coisa, menos o nome certo!) e a outra era a Anupama. Sim, esse era o nome dela mesmo! Uma indiana meio séria, mas, simpática. Séria, mas, simpática... entendeu?! Acho que ela tava fazendo as vias de "Bellatrix"dessa vez (não entendeu, CLIQUE AQUI). Acho que é mais ou menos esse o esquema da coisa, uma bate e a outra assopra. Dessa vez tava mais tranquilo. A Anupama começou a falar e, num repente desembestou à falar rápido. Nesse momento perdemos "nossa conexão" e acho que ninguém entendeu mais nada do discurso dela, so far.
Mesmo procedimento do AD anterior que havia feito: nos mandaram pra dentro da sala, nos dividiram em dois grupos. Do 1 ao 26 seria o grupo 1 e o restante, o grupo 2. Eu e todas coleguinhas conhecidas ficamos no grupo 2 e fomos convidados a esperar do lado de fora da sala. Quando saímos uma das funcionárias da Fly Right, Rejane, começou a nos dar dicas e perguntar coisas. Também começou a fazer perguntas e nos instruir de o que e como fazer as dinâmicas. Nada demais.
Depois de uma hora mais ou menos o pessoal do primeiro grupo saiu. Aguardamos ainda uns 20 minutos até que as selecionadoras entregasses os papeizinhos pra todo mundo com o resultado desta fase, porque, eles são super discretos e profissionais e passam os resultados de cada fase, na hora mesmo, com um tipo de bilhete de dizendo se foi aprovado ou não. Se não for, você pode sair á francesa com a desculpa de vou ao banheiro (leia-se: vou ao banheiro chorar até morrer de desidratação por causa dessa frustração). Depois, foi a vez do grupo 2. A dinâmica consistia em apresentar a pessoa sentada na cadeira á sua esquerda dizendo de onde ela vinha, informações básicas, o que fazia e porque queria ser comissário (a). E foi isso. Conversei com quase todo mundo da roda, porque nós inicialmente tínhamos 5 minutos pra trocar as informações, mas, acabou demorando um pouquinho mais, e eu que nem sou "mala aberta" pra conversar com todo mundo, né! Enquanto nos conhecíamos, as entrevistadoras chamavam as pessoas uma-a-uma para tocar os 212cm de altura, em um panfletinho colado na parece e nos perguntar se atualmente estávamos trabalhando e se já tínhamos feito algum processo seletivo deles antes. Quando foi minha vez, eu toquei lá a altura necessária e não me segurei... virei pra Anupama e perguntei: "como se pronúncia seu nome? Aruphama, Paruphama, Aturama???" Ela sorriu e disse: "pode me chamar de Aru". Agora, pensa, a coleguinha falava com aquele sotaque indiano FÁCIL de entender e nem toda a simpatia do mundo tornaria a comunicação mais fácil. Eu só SORRI e depois de responder as perguntas, voltei pro meu lugar. Nos apresentamos e tal e, depois dos papeizinhos com os resultados, ao todo, ficamos em apenas 27 pessoas.


(A Leide posando pra foto. Ao fundo, o poster da Emirates)

Adivinha qual foi a próxima fase? A prova de inglês com questões e a redação. Nenhuma surpresa também. Fomos todos juntos para uma sala e nos sentávamos duas pessoas por mesa, sendo que cada uma tinha uma prova diferente. A minha era número 5. A Erna começou a nos dar instruções e pediu que riscássemos da folha de provas a sugestão de redação e nos ditou um novo tema: "cite uma situação desafiadora que você enfrentou e cite o que fez pra superar estes desafios" (alguma coisa como isso!).DICA#: Se ela te pedir pra riscar a folha, risque. Se ela te pedir pra fazer um aviãozinho com a folha e jogar, jogue! Se ela sugerir a Macarena, dance! Isso faz parte do processo e testa se você sabe acatar ordens. Como tava fácil demais pra ser verdade, a Anu resolveu também explicar o que deveríamos fazer naquela prova. Quando ela começou a falar eu só pensava em desenhar uma tecla SAP no ar e apertar, pra ver se eu consegui entender alguma coisa. As pessoas estavam com uma cara de "Queeeeeeeeeeeeeee?" que eu queria muito ter fotografado.

E começamos a prova. Bem no começo, havia a interpretação de dois pequenos textos e a solicitação é que você circulasse a resposta certa. DICA#: se eles mandam circular, circule! Se mandam fazer coraçãozinho em volta, faça! Depois os que não haviam seguido essas instruções tomaram o maior créu. Seguindo, havia algumas questões de vocabulário, tipo, umas palavras meio X que você tinha que definir o significado. Seguindo, a interpretação de alguns recortes de frases e pequenos anúncios. Por fim, a redação. Algumas pessoas depois me disseram que a redação deveria tomar a folha da frente (onde havia o enunciado da atividade) e metade da folha seguinte. Eu não entendi nada disso do discurso da Anu e escrevi só a parte da frente, cerca de 15 linhas. Respondi o que foi pedido, sem enrolar e sem forçar a amizade no vocabulário complicado.

Ao sairmos da sala, estavam servindo um lanchinho básico com chás, café, biscoitos e crackers; que tinha sido solicitado pela Fly Right - da outra vez eu não tive isso não e bem tive que fazer o louco da barrinha no posto de gasolina da esquina. Sorte nossa, dessa vez. Enquanto esperávamos o resultado, a Rejane continuou a nos dar dicas de como proceder e como agir no processo seletivo. Ela e mais uma outra moça que a acompanhava, que já tinha sido comissária da EK (Emirates) ficaram fazendo piadinhas e nos contando como era a vida delas, enquanto comissárias. Foi um momento ótimo pra descontrair e tomar mais um fôlego pra o resultado das provas. Quando os resultados vieram, apenas 2 coleguinhas foram reprovados sendo que um deles não havia concluído a redação e o outro, não sei porque não passou. Motivo X.

Novamente fomos divididos em dois grupos para realizar a próxima dinâmica de grupo. As meninas ficaram todas no mesmo grupo que eu e, adivinhe... foi exatamente o mesmo tema da dinâmica que havia feito antes, apenas algumas variaçõezinhas sobre o tema, onde trabalhávamos como "ground staff" e tínhamos que fazer o downgrade de dois, entre varios passageiros bonitos que tinham comprado passagens pra classe executiva. Eram eles: passageiro com a perna quebrada, frequent traveller, menor desacompanhado, ministro dos transportes, importante celebridade, Importante crítico de viagens e apresentador de programa de TV, importante empresário, casal em lua-de-mel e funcionário da empresa aérea. Enfim... tivemos um momento "feira" básico, logo no começo. Eu sugeri que escolhêssemos um padrão pra basear nossas escolhas, tipo, vamos escolher por segurança e saúde? Ou por questões financeiras? Não adiantou muito, mas, até que foi mais organizado do que da outra vez que havia feito essa dinâmica lá (VIDE ASSESSMENT DAY 2010). Tinha um coleguinha que, acho que por ser tímido, falava bem baixinho e ninguém ouvia! Vontade de soltar um: PÕE PRA FORA AMIGO, DESENVOLVE! No fim, havíamos escolhido o homem com a perna quebrada e o frequent traveller. Não achei -dessa vez- que fizemos uma escolha tão ruim, se contar que da outra vez ainda tinha a grávida e eram 3 assentos disponíveis. Mas, mesmo assim, tomamos uma pic-bronca por não termos entrado em acordo completamente. Algumas pessoas preferiram não "agree in disagree" e o resultado foi que a Erna nos questionou sobre nosso trabalho em equipe e fomos direcionados pra outra dinâmica semelhante.

Nessa outra, gerenciávamos um hotel e tínhamos vários clientes com reservas e apenas 5 quartos disponíveis. Eram eles: modelo famosa, CEO de uma grande empresa que sempre se hospedava lá, agente de viagens corporativas de outra empresa, critico de viagens à passeio, celebridade, politico importante, casal de idosos que tinha juntado dinheiro por um ano pra estar lá, gestor de empresa que teria uma conferência no dia seguinte e uns outros que não consigo lembrar. Dessa vez, nos organizamos e alguém sugeriu que nos respeitássemos pra falar, do tipo, levanta a mão e desembucha meu filho! Ainda estabelecemos um padrão desde o começo, colocando quem gastava mais dinheiro e gerava mais lucro pro hotel nos quartos. Dessa vez, foi ok! Só fomos questionados sobre nossas escolhas, mas, sentimos um alívio básico por conseguir chegar a um consenso.

Mais uma vez, fomos solicitados a aguardar pelas respostas e, depois que elas vieram, eramos apenas 18 pessoas. Quando vi que tinha conseguido acumular as três vidas (os três papeis com resposta positiva) fiquei muiiiito feliz! Nesse momento rolou o "GRITO PRA DENTRO" de felicidade. A Leide e a Nu continuaram comigo até o final. A galera que passou era bem bacana, do tipo que você não tem dúvidas que deveria estar lá. Algumas pessoas que se mostraram (pra mim) bem legais, infelizmente, não passaram nessa fase, mas, quem sabe o real motivo das coisas. As selecionadoras vieram nos dar os "congratulations". Da Anu eu só entendi os "kurupacutrilations" kkkk ... brincadeirinha! Nessa hora elas se tornaram ainda mais simpáticas e nos chamaram pra sala onde havíamos feito a prova escrita, pra nos entregar TOOOOOOODA a papelada que é preciso preencher pra obter visto e fornecer informações básicas. Essa parte durou praticamente uma hora, tempo necessário pra elas explicarem cada formulário e como preenchê-los. Uma coisa que não tinha preenchido antes foi uma folha que perguntava se eu tinha tatuagens e onde elas estavam, tendo como referência uns bonequinhos desenhados nessa folha. 


E elas informaram que o teste psico-alguma-coisa agora seria feito via internet. Aliiiiiiiiiivio! Porque eu bem já tava o podre do cansado. DICA#: independentemente de como você realmente se sentir, se te perguntarem como você está, responda que está bem ou que está ótimo. As pessoas precisam "aguentar" firmes o processo do começo ao fim, afinal, as vezes você estará em voos longos, super cansativos, e não dá pra ficar de cara feia, né!?

(O formulário de imagem e uniforme: não pode ter tatuagens nas partes brancas dos bonequinhos)

Então, elas abriram o 'leilão' para os horários da final interview, que deveria ser agendada nessa hora. As opções eram horários de 45 em 45 minutos, à partir das 9h da manhã, para a segunda e terça-feira. Quem vem de outras cidades/estados sempre têm prioridade. Optei pelo ultimo horário, do ultimo dia - porque eu bem sabia que não ia conseguir dormir direito na noite anterior e não queria fazer a FI de novo sem ter dormido. Dessa vez, não ganhamos DVD com os videos do Open day. Depois disso, fomos dispensados. Já era quase 19h. Muitas pessoas ainda tiveram que ir tirar as fotos solicitadas para a final interview, como a foto de corpo inteiro, passport size e seis fotos no tamanho 3,5x4,5 - um formato beeeeeeem alternativo. Eu fui pra minha casa, porque já nem sabia mais quem eu era, de tão "bem louco" de sono e fome que eu estava.

Ao chegar em casa, ainda tive que providenciar alguma papelada, realizar o teste via internet e depois eu CA-PO-TEI de sono. Fazia muito tempo que não dormia tão gostoso. Daí... cenas do próximo episódio: la entrevista final...
Bom, é isso aí...
Próxima fase: final interview.
Agora, vamos voar!

19 comentários:

  1. Muuuitos detalhes! Adorei!!

    ResponderExcluir
  2. Ola Roberto.. Boa tarde
    Tudo bem ?
    Estava lendoseu post sobre o assessment day e vi que voce fez uma redacao
    Gostaria de saber, se voce puder responder é claro, qual foi o tema?Passei no OD em SP e agora vou fazer a AD logo mais.. e estou me preparando pra isso..

    ps. Parabens pelo blog.. é de muita ajuda e muito claro..!! Obrigada viu..
    Julia

    ResponderExcluir
  3. Brigado Julia...

    O tema foi: "cite uma situação desafiadora que você enfrentou e cite o que fez pra superar estes desafios" (alguma coisa como isso!)

    ....

    ResponderExcluir
  4. Oi tudo bom ?
    Parabéns , adorei o blog muito informativo , tirou muito das minhas dúvidas .
    Mais gostaria de saber uma coisa , me add no facebook se você tiver =)
    obrigado .

    ResponderExcluir
  5. Olá Roberto blz???
    Alguem postou seu blog no grupo da Fly Right no Face e estou ADORANDO!! Divertaido e extremamente informativo! To sugando cada dica tua aqui... Perdi o OD desse ano no Brasil mas vou fazer em Melbourne dia 15 de novembro!
    Grande abraço e sucesso, always!
    (ps:da uma passada no meu blog when you get a chance! http://titonaestrada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

  6. Ola menino Tito,

    Que legal que tem gostado do conteúdo do blog. Dei uma olhada no seu e achei muito interessante também. Gostei do posto sobre o japão... quem sabe hora dessas não vou pra lá! Tomara...

    Boníssima sorte pra você no OD, seja lá onde você fizer. Só se lembra que, se você passa no processo seletivo em Melbourne, seu firm ticket anual de férias vai ser emitido pra esse lugar. Acho que pode ser uma vantagem ou uma desvantagem.

    Abração!

    ResponderExcluir
  7. Oi Roberto, eu gostaria de saber se eles dizem o porque a pessoa nao passou, no caso para a propria pessoa rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi "anônimo" ... eles não falam porque a pessoa não passou. Em alguns casos, se você chegar a fazer o assessment day, pode (pelo menos podia) solicitar um feedback oficial da Emirates, que pode ser enviado em até 2 meses... não sei se isso ainda funciona!

      Excluir
  8. Eu gostaria de saber se eles dizem ou escrevem o motivo da eliminacao:
    att.
    kAMILA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kamila,

      Nessa fase do processo seletivo, o assessment day, eles te dão um feedback formal, por escrito, se você solicitar diretamente para a Emirates. Alias, eles davam... não sei se ainda dão. Mas, demora uma vida pra você receber alguma posição.

      Normalmente a gente acaba percebendo o que nos eliminou: pouca interação com o grupo, timites, rispidez com os coleguinhas, falta de iniciativa, não sorrir, estar vestido ou maquiada inadequadamente... ou o bom e velho "fator emirates", que é desconhecido. kkk

      Excluir
  9. Eles nao perguntaram nada sobre a Emirates ou o Grupo Emirates ??? Durante o meu oepn day falaram para ler o site, e estudar para o AD.

    Obrigada !
    =]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. la anônimo,

      Não me perguntaram nada diretamente não. Mas, isso faz quase um ano... vai saber se agora eles perguntarão. Tem sempre o "fator Emirates" na jogada!
      Em todo caso, leia o site, saiba bem qual é a atividade da empresa onde você pretende trabalhar, leia sobre as rotas, peculiaridades e com isso você será capaz de se destacar, se precisar usar essas informações.

      Boa sorte!

      Excluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Pergunta meio estúpida mas lá vai, todas essa dinâmicas são feitas em inglês certo? Só pra confirmar ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é estupida não! Relaxa..
      Sim, tudo ...absolutamente toda a comunicação é feita em inglês!

      Good luck!

      Excluir
  12. Olá,

    Muito bom teu blog, por favor nos mantenha atualizado quando for para DXB.
    Duas perguntas: o quanto vc acha que o inglês influencia no OD, tão mais que o comportamnetal ?E mais aonde vc se preparou na segunda vez que tentou, digo estudou inglês?
    Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola "Anônima" (suponho que seja mulher pela assinatura da mensagem),

      O inglês influência muito, muito mesmo. É um quesito eliminatório! Se não for bom, não rola. Uma coisa seria se confundir enquanto fala; outra coisa seria não "saber se expressar" na outra língua. O comportamento influência também, igualmente. Mas, não adianta se comportar como uma lady ... sendo que essa lady gagueja ou fica "muda" por não saber o que ou como falar.

      Força no inglês!

      Eu estudei num colégio técnico que se chama Camargo Aranha, onde a associação de pais e mestres fornecia o curso com um preço bom e uma qualidade excelente. Também estudei pelo site busuu.com, que tem também a opção gratuita ... além de ler sempre (até hoje) a revista speak up.

      Boa sorte!

      Excluir
  13. uma pergunta.... a redação foi em ingles née????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim caro colega. Tudo no processo seletivo é SEMPRE em inglês!
      Boa sorte!

      Excluir

Gostou do Blog? Então comente! Diga o que quer saber, o que quer ver para eu colocar aqui no blog.